Centrostudi CISCAM - Centro Italiano per lo Studio della Cultura Africana e Mediterranea!

Ritos de iniciação entre os Amakhuwa do Norte de Moçambique e respeito dos direitos humanos

Ritos de iniciação entre os Amakhuwa do Norte de Moçambique e respeito dos direitos humanos In evidenza

Como qualquer outro povo, os amakhuwa do Norte de Moçambique, de tradição matrilinear, procuram dar uma explicação plausível acerca da origem e evolução do universo, dando uma interpretação de tipo religioso à génese das coisas. Tais coisas emanaram dos Namúli, uma cadeia montanhosa que se estende desde o norte da província da Zambézia, no distrito de Gurué até à província de Nampula, no distrito de Ribaué. Conta a lenda que foi nos montes Namúli, onde uma divindade criou todas as coisas usando raízes do imbondeiro (baobá), árvore frondosa e de presença dominadora. Dos Namúli foram criados os primeiros humanos, hoje considerados como makholo (pais primordiais e/ou antepassados) dos mahimo (clãs) existente entre os amakhuwa.

O que foi emanado pelos Namuli deve estar em harmonia. É esta a filosofia de base dos Amakhuwa, embora hoje as influências da modernidade tenham desviado deste princípio fundamental. Em paralelo ao mito fundador, existe uma lista considerável de ritos celebrados ao longo da vida dos amakhuwa. Todos eles visam a inserção da pessoa na sua comunidade de pertença, garantindo assim aquela coesão e harmonia social que representam o marco identitário mais característico da cultura dos amakhuwa. O principal desses rituais é representado pelos ritos de iniciação, que marcam a transição da idade infantil à adulta, e são celebrados quer na vertente feminina, quer masculina. Neste texto iremos abordar apenas os primeiros, por sinal os que mais discussões e críticas têm levantado por parte das organizações, nacionais e internacionais, que lutam em prol dos direitos das mulheres e, no geral, dos direitos humanos individuais.

O rito de iniciação feminino (Winela emwali) se inscreve numa ótica de continuidade dos ensinamentos da cultura e do bom comportamento, cuja primeira transmissão é feita pela mãe, diariamente. O rito, portanto, vai insistir num pano de fundo de uma pessoa jovem, mas já sensibilizada e preparada para receber outros ensinamentos, desta vez por obra de mulheres externas à mãe e que lhe irão introduzir na vida adulta. Para que uma rapariga seja submetida a Wineliwa emwali (ritos de iniciação feminino) é necessário e indispensável que ela tenha a wona mweri (menarca). Enquanto o dia das cerimónias não chega, os familiares vão criando todas as condições necessárias, desde comida, bebidas, roupas e construção de cabanas onde irão decorrer as cerimónias.

Depois de uma refeição comunitária, as meninas, ao longo da tarde, são levadas para um espaço reservado e relativamente isolado, que pode ser um lugar com casas abandonadas ou em cabanas improvisadas. Os ritos femininos duram duas noites e três dias. Os aconselhamentos só acontecem ao longo da noite, enquanto durante o dia as pessoas dormem. Uma tal opção é devida ao fato de os ensinamentos transmitidos serem considerados sagrados, portanto precisando de calma, tranquilidade e muito silêncio e concentração, funciona como forma de respeito pela herança herdada pelos antepassados. A transmissão dos conhecimentos durante os rituais é feita por meio da música, ou seja, cantada e acompanhada por dança, dividindo o grupo em dois coros. Os ensinamentos ligados ao rito consistem em explicar o que é a menstruação, como cuidar da saúde, qual o comportamento perante os homens, como se vestir, como cuidar do lar, com noções de educação da sexualidade feminina, ou seja, o conhecimento completo do corpo de uma mulher, tais como a proibição do incesto e do adultério no geral. Nos ritos que sofreram a influência da religião cristã foram abolidas algumas partes consideradas contrárias aos ensinamentos desta fé, como por exemplo uso de palavrões e objetos com formas de órgãos genitais masculinos. Nos ritos celebrados consoante a tradição, as meninas são pintadas com farinha, vestidas de farrapos, deixando os corpos seminus, com acompanhamento de cantos e palavras insultuosos, que desempenham a função de tornar as meninas humildes. O mesmo acontece com os ritos masculinos.

Na cultura dos amakhuwa o termo dos ritos de iniciação não significa necessariamente iniciar a procurar marido. No geral, a vida das meninas continua normalmente, e só as que decidem – devido a razões alheias aos ritos em si, como as más condições económicas, ou a conflitos com os pais – entrar no lar é que podem fazer isso. O rito de iniciação, portanto, não empurra a menina para o lar, mas lhe entrega a condição de mulher adulta e madura.

Por outra, dados demonstram que na região norte de Moçambique a questão dos casamentos prematuros e indesejados é que é mais difusa e prejudicial para a vida das meninas a nível nacional. Entretanto, esta situação não pode ser atribuída automaticamente aos ritos de iniciação de forma que deveriam ser investigadas as condições socioeconómicas em que a maioria das famílias, no Norte do país, se depara, vendo como única saída para diminuir o peso dos gastos a alocação da filha recém-iniciada num novo lar.

Fora as violações gritantes dos direitos da rapariga que ainda, em algumas circunstâncias (cada vez mais raras) se manifestam ao longo dos ritos de iniciação, que entretanto nunca, na variável Makhuwa, prevêm práticas como a infibulação, a questão que deve ser colocada, em termos de direitos humanos, é a seguinte: será que tais direitos são apenas de tipo individual, ou é necessário considerar também a perspectiva coletiva, segundo afirma a própria Carta de Banjul de 1981? Preservar a identidade de um povo e de uma cultura constitui um direito fundamental, que passa também mediante os ritos de iniciação. São estes, em muitas culturas e organizações humanas (tais como a mafia u a maçonaria) que assinalam e reforçam a identidade local de um certo grupo, o que também representa um direito humano fundamental, que deve andar de acordo, sem chocar, com a tutela dos direitos humanos de cada pessoa, a partir dos das jovens mulheres africanas.

Vota questo articolo
(5 Voti)

Seguici sui Network

About Centrostudi CISCAM

Il CISCAM è un'organizzazione di volontariato di utilità sociale, senza fini di lucro, che promuove la conoscenza del continente africano e del bacino del Mediterraneo.

Ultime News

Qualcuno ci guarda. La “scoperta” del Mozambico da…

26-09-2020

Caro Luca,Ti scrivo la presente per sviluppare alcune riflessioni in merito alla grave situazione del nostro paese. Pensavamo che la distanza geografica e la buona fama che ci eravamo guadagnati...

Leggi tutto

Considerazioni sull’identità dell’uomo africano

25-08-2020

Il mondo occidentale ha sempre pensato di poter indagare l'essere e l'uomo attraverso le sue categorie filosofiche legate a un pensiero forte, razionale e scientifico capace di astrazione e superiore...

Leggi tutto

Eppur si ferma...Come i movimenti sociali contadin…

25-07-2020

Esistono pochi paesi al mondo, oggi, in cui le possibilità di successo di lotte di movimenti sociali, soprattutto in ambito rurale, sono ridotte come in Mozambico. Parlo di paesi formalmente...

Leggi tutto

UMA CRISE POLÍTICA SEM FIM: A GUINÉ-BISSAU

27-06-2020

Há mais de duas décadas, concretamente 22 anos, a Guiné-Bissau vive numa situação de crise política e institucional constante, que contribuiu a fazer do país um dos Etados mais pobres...

Leggi tutto

UNA CRISI POLITICA INFINITA: LA GUINEA-BISSAU

27-06-2020

Da più di due decenni, per l´esattezza da 22 anni, la Guinea-Bissau sta vivendo una situazione di crisi politica e istituzionale costante, che ha contributo a fare di questo paese...

Leggi tutto

Ritos de iniciação entre os Amakhuwa do Norte de M…

21-06-2020

Como qualquer outro povo, os amakhuwa do Norte de Moçambique, de tradição matrilinear, procuram dar uma explicação plausível acerca da origem e evolução do universo, dando uma interpretação de tipo...

Leggi tutto

Riti di iniziazione fra gli Amakhuwa del Nord del …

21-06-2020

Come qualsiasi altro popolo, gli amakhuwa del Nord del Mozambico, di tradizione matrilineare, cercano di dare una spiegazione plausibile all’origine ed evoluzione dell’universo, dando una interpretazione di tipo religioso alla...

Leggi tutto

La regressione razzista

09-06-2020

La storia dell´uomo è piena di episodi di razzismo, sin dai suoi primordi. Tuttavia, l´avvento del capitalismo su scala globale ha mondializzato e istituzionalizzato tale fenomeni, a partire dalla lunga...

Leggi tutto

Quel che il Papa ha detto e che in molti non hanno…

15-04-2020

Nella benedizione pasquale urbi et orbi, Papa Francesco ha parlato, fra gli altri scenari di violenza e di guerra nel mondo, di Cabo Delgado, provincia all’estremo Nord del Mozambico, divisa...

Leggi tutto

Il Brasile fra Coronavirus e congiure di palazzo

28-03-2020

    Molti dei governanti dei vari paesi interessati al Coronavirus hanno provato – almeno inizialmente - a sposare la tesi negazionista o minimalista. In prevalenza si è trattto di leaders politici...

Leggi tutto

La "terza ondata" di Coronavirus sarà di…

24-03-2020

Dopo la prima ondata di Coronavirus in Cina, la seconda in Europa e Stati Uniti, l’Oganizzazione Mondiale della Sanità teme che una terza ondata potrà abbattersi sul continente africano, con...

Leggi tutto

La nuova destra e la lotta per l’egemonia

31-01-2020

Il dibattito politico italiano si sta concentrando, in questi ultimi mesi, sul fenomeno-Lega. Fra chi ne è preoccupato, soprattutto da sinistra, e chi ne auspica una ulteriore crescita, da destra...

Leggi tutto

La nuova frontiera della lotta di classe in Africa…

01-12-2018

  Esiste un fenomeno globale che, dal 2007-2008, sta caratterizzando le nuove relazioni fra alcuni paesi centrali o emergenti – essenzialmente asiatici: Giappone, Cina e India - e una buona parte...

Leggi tutto

La questione elettorale: alla base dell’insuccesso…

02-09-2017

Esiste una battuta di spirito, nelle reti sociali di vari paesi africani, che sta circolando in questi ultimi giorni, e che riassume l’essenza dei problemi che molte democrazie africane stanno...

Leggi tutto

Atleti italiani naturalizzati, tornatevene a casa!

26-02-2017

Il 19 e 20 febbraio si sono tenuti i campionati di atletica indoor assoluti. Non sono mai stato un grande appassionato di atletica, sempre ammettendo, però, l’eroica pertinacia di chi...

Leggi tutto

La Guinea-Bissau: la riserva di Cufada, la minacci…

31-01-2017

La Guinea-Bissau è un piccolo paese sulla costa atlantica dell’Africa, confinante con Senegal e Guinea-Conakry, con poco più di 1,5 milioni di abitanti. È un paese estremamente povero (fra i...

Leggi tutto

Valentina e le altre

18-12-2016

Quattro colpi di arma da fuoco, la disperata rincorsa in ospedale, la constatazione del decesso. Valentina da Luz Guebuza era la figlia dell’ex-Presidente del Mozambico, Armando Emílio Guebuza. La rivista...

Leggi tutto

I possibili scenari dell’Amministrazione Trump per…

13-11-2016

Diversi giornali americani ma anche europei, contrari e stupiti del successo di Trump alla Casa Bianca, hanno cominciato a riportare affermazioni per così dire folcloristiche del magnate neo-presidente su Africa...

Leggi tutto

La nuova, strana guerra del Mozambico

04-11-2016

Luca Bussotti La nuova, strana guerra del Mozambico Da un paio d'anni il Mozambico è in guerra. Un paese che nel 1992 aveva raggiunto una difficile pace a Roma, grazie alla mediazione...

Leggi tutto

Seguici su Facebook